rótulos adulterados

MEDICAMENTOS VENCIDOS COM RÓTULOS ADULTERADOS SÃO FLAGRADOS POR FISCAIS

Um farmácia foi flagrada vendendo remédios vencidos e produtos de amostras grátis com os rótulos adulterados, no setor Leste Vila Nova, em Goiânia. Duas pessoas foram presas. A ação, coordenada pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor (Decon), ocorreu na terça-feira (12/5).

Informações cedidas pela corporação, policiais civis e fiscais da Vigilância Sanitária estiveram no estabelecimento, localizado no setor Leste Vila Nova, onde inicialmente foram encontrados diversos medicamentos vencidos.

Rótulos Adulterados de Amostra Grátis

Durante a ação, os investigadores identificaram medicamentos controlados sem origem e outros que tiveram as embalagens alteradas, pois eram amostras grátis e tiveram os rótulos adulterados para serem vendidos.

O Decon ainda informou, que alguns desses medicamentos adulterados custam mais R$ 3 mil cada e são utilizados para tratar doenças graves, como esclerose múltipla.

Em um laboratório que integra a farmácia, também foram apreendidos insumos farmacêuticos com data de validade expirada. Duas pessoas foram presas no estabelecimento.

Flagra em supermercado e Farmácia com Produtos Vencidos

No último mês, um supermercado e uma farmácia de Goiânia também foram autuados após fiscais flagrarem produtos vencidos e produtos impróprios à venda. A fiscalização foi feita por policiais civis da Decon e por agentes do Procon Goiás.

Desde o início da situação emergencial causada pelo coronavírus, os servidores têm atuado investigando aumentos abusivos de preços e fabricação e comercialização irregular de insumos e equipamentos de proteção individual, os EPI’s. Durante as ações, dois estabelecimentos foram flagrados comercializando produtos fora do prazo de validade.

Os flagrantes ocorreram em um supermercado no Setor Forteville e em uma drogaria na Vila Rizzo, em Goiânia. Foram apreendidos produtos alimentícios, bebidas, cremes, repelentes entre outros. Alguns destes produtos estavam vencidos desde outubro do ano passado.

Segundo informações da Polícia Civil, dois inquéritos policiais foram instaurados para apurar detalhadamente as responsabilidades pelo negligência desses estabelecimentos.