MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SOBREVIVEM MAIS COM ASSESSORIA

Uma pesquisa realizada pelo SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) aponta que enquanto 80% das micro e pequenas empresas fecham as portas nos cincos primeiros anos. No mercado de franquias o percentual é de 15%. Ainda, no primeiro ano, a perspectiva de fechamento é de 30% para novos empreendimentos – 10 vezes mais aos fechamentos de franquia.

Um dos principais motivos dessa estatística é o fato de que a franchising oferece um sistema estruturado, fundado em experiência adquirida em anos de trabalho. Na verdade, a ideia em transformar o empreendimento em franquia está no objetivo de querer ampliar e expandir negócio. Isso quer dizer que o empreendedor só terá interesse em realmente ampliar sua empresa quando houver uma solidez estrutural e financeira.

Diante disso, quem tem a ganhar é o interessado em adquirir a franquia. Além da vantagem de possuir uma empresa com solidez no mercado e vida útil superior a um empreendimento novo, o franqueado possui uma retaguarda munida de sistemas de recursos humanos, gestão financeira e marketing.

No entanto, fechar um contrato de franquia é algo que requer sintonia entre franqueado e franqueador. Para entender isso, há duas perguntas fundamentais que o interessado em comprar a franquia deve fazer: Identifico-me com essa área de atuação? Tenho perfil de empreendedor?

Por outro lado, o franqueador não deve generalizar a busca por novos sócios. “As marcas mais consolidadas falam mais não do que sim. É preciso estudar a região central que um possível franqueado quer atuar e se tem realmente capacidade financeira. Na ansiedade de querer abrir algo, a franquia pode quebrar por não ter fôlego para enfrentar uma crise. Sem dúvida, avaliações criteriosas são fundamentais. Sem planejamento, até banco fecha”, exemplifica Denis Santini, sócio-fundador da MD Comunicação. Se essas questões estiverem em sintonia, há uma possibilidade imensa da franquia ser um sucesso.

Também, de acordo com a SEBRAE, há determinadas atividades capazes de aumentar o tempo de sobrevivência do empreendimento, tal qual o nicho referente à assessoria jurídicas advogados, de contabilidade e de auditoria. Por serem áreas muito específicas, acabam sendo exclusivas e possuem pouco ou nenhuma concorrência.

Fonte : Jus Brasil