POLÍCIA FEDERAL DEFLAGRA NOVAS OPERAÇÕES HOJE DUBAI EM BRASÍLIA E AREPA EM SÃO PAULO

Polícia Federal deflagrou nova fase da Operação Dubai, que investiga acusados de formarem um cartel em postos de combustíveis no Distrito Federal. O delegado responsável pela Operação Dubai, João Tiago, da Delegacia de Repressão a Crimes Financeiro, afirmou que a operação já era prevista antes da deflagração da primeira fase, em novembro de 2015, mas que não deu tempo de incluir as buscas e apreensões e conduções coercitivas naquele momento.

O objetivo da operação de hoje é colher mais provas para finalizar o inquérito. Dois postos em Ceilândia começaram uma disputa de preços, mas depois disso um acordo foi feito para aumentar os preços. Esse acordo visava a beneficiar o cartel investigado pelo inquérito.

Por esse motivo, foram levados coercitivamente para prestar depoimento dois funcionários dos postos (gerentes), que seriam os responsáveis pelo encontro para fechar o acordo. Além deles, dois empresários ligados aos postos.

Além disso, os promotores do Ministério Público disseram que estão preparando para breve a denúncia por crimes de formação de cartel e organização criminosa.

O CADE informou que, quando o inquérito estiver finalizado, ele será juntado à investigação administrativa. No final, pode gerar multa de até 20% do faturamento da empresa. No caso de pessoas físicas, multas que variam de R$ 50 mil a R$ 2 milhões.

São Paulo/SP – A Polícia Federal deflagrou hoje (6/5) a Operação Arepa, com a finalidade de combater o tráfico internacional de drogas, em municípios paulistas. A quadrilha adquiria a droga na Bolívia e a distribuía no Brasil e a enviada para Europa. Há indícios de que o grupo tenha remetido cerca de 7,5 toneladas de cocaína ao exterior, em 2015.

Cerca de 140 policiais deram cumprimento a 29 mandados de busca e apreensão e a oito mandados de prisão temporária. Seis pessoas foram presas e dois foragidos já foram identificados na Colômbia e nos Estados Unidos. Até o momento, foram apreendidos cerca de R$ 530 mil em papel moeda.

Os mandados foram cumpridos nas cidades de São Paulo, Mogi das Cruzes, Sorocaba, Santos, Guarujá, Ibiuna e Valentim Gentil. Foram bloqueados cerca de 20 milhões de Reais em imóveis, veículos e aplicações financeiras, pertencentes à organização criminosa.

As investigações tiveram início em março de 2015 e identificaram uma organização criminosa que trazia cocaína da Bolívia para o Brasil. Ela distribuía a droga no Brasil e enviava para a Europa, principalmente para Bélgica e Holanda. Era despachada via courrier internacional, por meio aéreo.

No decorrer das investigações, foi realizada a maior apreensão de cocaína da história do aeroporto internacional de Guarulhos: cerca de 200 kg, que seriam remetidos para Holanda. Nesse período também foram apreendidos 200 mil euros e 390 mil dólares pertencentes à Organização Criminosa.

Os presos serão indiciados e permanecerão à disposição da Justiça Federal. Eles responderão pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico, cujas penas podem chegar a 25 anos de prisão, sem prejuízo de outras imputações apuradas no desdobramento das investigações.

Haverá entrevista coletiva às 14h30, no auditório da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, na Rua Hugo D’antola, 95, Lapa de Baixo. Àqueles interessados em imagens, solicitamos que tragam um pen drive para coletá-las.

* Arepa é um tipo de pão de milho típico da culinária colombiana e é um dos termos utilizado pelos traficantes para se referirem à cocaína.

 BLANCO ADVOCACIA S/C