Skip to content Skip to footer

O que é Acusação de Crimes de Fraude Bancária?

O QUE É ACUSAÇÃO DE CRIMES DE FRAUDE BANCARIA?

Fraudes bancárias são crimes que envolvem a tentativa de obter dinheiro ou propriedades de um banco de maneira ilícita. Existem vários tipos de fraudes bancárias que conseguiram tanto os clientes quanto as instituições financeiras.

O primeiro tipo de fraude bancária é o roubo de identidade, que envolve o uso de informações pessoais de outra pessoa sem o seu consentimento para cometer uma fraude. Isso geralmente envolve a obtenção de informações por meio de phishing, spyware ou roubo de documentos pessoais.

Outro tipo comum de fraude bancária é a fraude de cartão de crédito ou débito. Isso ocorre quando os fraudadores obtêm os detalhes do cartão de uma pessoa e fazem compras não autorizadas ou retiram dinheiro da conta da vítima. Além disso, temos fraudes como empréstimos de concessão, que ocorrem quando os fraudadores usam informações falsas ou roubadas para pedidos de concessão.

As fraudes de cheque também são comuns. Elas podem envolver a fabricação de cheques falsos, a alteração de cheques legítimos ou a emissão de cheques sem fundo.

Finalmente, temos a fraude de internet banking, que é uma forma mais recente de fraude bancária. Isso envolve o uso de técnicas de hacking para obter acesso ilegal às contas de internet banking de uma pessoa e realizar transações não autorizadas.

No Brasil, os crimes de fraude bancária são regulados principalmente pelo Código Penal. As fraudes de cartão de crédito e débito, por exemplo, são regulamentadas pelo Art. 155, § 4º, II, que trata do furto qualificado, e pelo Art. 171, caput, que versa sobre o crime de estelionato. A fraude de cheque pode se enquadrar no art. 171, § 2º, VI, que fala sobre estelionato cometido com a emissão de cheque sem provisão de fundos.

A fraude de internet banking pode ser processada sob a Lei 12.737/2012, também conhecida como Lei Carolina Dieckmann, que criminaliza a invasão de dispositivos informáticos. O roubo de identidade também pode ser considerado um crime de falsa identidade, previsto no art. 307 do Código Penal.

No entanto, vale lembrar que a responsabilidade por prevenir fraudes bancárias não recai apenas sobre as instituições financeiras, mas também sobre os indivíduos. Manter informações pessoais e financeiras com segurança e tomar cuidado ao realizar transações online são medidas fundamentais para prevenir a fraude bancária.